Superquadras

Superquadras

Inaugurada há cinquenta anos, Brasília marca, entre outras coisas, o desejo de propor uma nova sociabilidade urbana, que tem na escada residencial o seu desenvolvimento mais radical. Disposta ao longo do eixo norte-sul, a área residencial foi desenhada como um contraponto à cidade tradicional. Inspirado na cidade-verde do arquiteto franco-suíço Le Corbusier, Lúcio Costa propõe a liberação do térreo para a cidade renegando a sua usual divisão em lotes de propriedade privada. A medida garantia uma gama enorme de possibilidades de desenhos de implantação dos onze edifícios lineares de seis pavimentos sobre pilotis que compunham uma quadra, a unidade entre elas sendo alinhavada pelo cinturão verde que as envolvia.

Cada conjunto de quatro quadras formava uma superquadra, unidade de vizinhança semelhante à proposta pelo urbanista inglês Ebenezer Howard, provida de equipamentos de serviços e comércio para a comunidade distribuídos ao longo dos eixos de acesso que a separava.

Somente as quadras 107, 108, 307 e 308 seguem à risca o plano de Costa e formam uma unidade de vizinhança que se destaca das demais, não só em função da implantação de todos os equipamentos previstos, mas também porque alguns deles, como a capela, foram projetados por Affonso Eduardo Reidy. Além disso, os edifícios habitacionais foram concebidos por Oscar Niemeyer, a sua implantação servindo de modelo para outras quadras construídas posteriormente.



Artigos relacionados

E a velha fábrica ganhou nova vida

Concebido por Lina Bo Bardi em colaboração com André Vainer e Marcelo Ferraz, o Sesc Fábrica da Pompéia é um dos exemplos mais bem sucedidos de criação de um espaço público de lazer, cultura e esporte construído na cidade de

Aterro do Flamengo

O chamado Aterro do Flamengo, que ocupa a orla da baía de Guanabara – entre o Aeroporto Santos Dumont e a enseada de Botafogo datam da década de 1950 (o parque foi projetado entre 1954 a 1959), mas suas obras só começaram em 1961, no governo de Carlos Lacerda.

Paulo Mendes da Rocha

Um dos expoentes da chamada escola paulista da arquitetura contemporânea brasileira, ele havia se formado arquiteto e urbanista numa das primeiras turmas da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie, de São Paulo em 1954.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta