Modernismo na Arquitetura

Modernismo na Arquitetura

Na metade do século XX, a arquitetura brasileira foi descoberta por críticos e jornalistas de vários países. A grande surpresa era o surgimento de edificações que pareciam desfrutar de maior  liberdade formal, leveza e uso de materiais e de curvas, bem diferente do uso da Europa e dos Estados Unidos. Os brasileiros também ficaram encantados com o fato de os europeus e americanos estarem olhando para cá e celebrando mais essa manifestação de nossa cultura, ao lado da bossa nova e do cinema novo. Mas o processo começara bem antes e fora impulsionado durante o Estado Novo.

A primeira casa em estilo modernista surgiu em São Paulo, com projeto do russo Gregori Warchavchik (1929-1930). Sem qualquer ornamentação e formada por volumes prismáticos brancos, a obra era tão impactante para a época que, para conseguir obter aprovação junto à prefeitura, o arquiteto apresentou uma fachada totalmente ornamentada, e após a conclusão da obra, alegou falta de recursos para completá-la.

A casa foi reformada pelo próprio Warchavchik nos anos 30, para abrigar a família que crescia. Depois de várias mudanças, o conjunto foi tombado pelo Condephaat, em 1984, seguido pelo Iphan e, posteriormente, pelo Conpresp. Mas somente apatir do ano 2000 se iniciam projetos e obras para a recuperação do imóvel, completados em 2007.

A casa de Warchavichik já tinha as características que iriam definir os grandes projetos modernistas: o racionalismo, o funcionalismo, formas geométricas definidas e ausência de elementos meramente ornamentais, já que a própria obra era considerada um ornamento na paisagem.

O ideólogo do modernismo na arquitetura brasileira, asseguram os especialistas, foi Lúcio Costa. Entre os estrangeiros, nenhum influenciou mais que o franco-suíço Le Corbusier, que aqui esteve várias vezes, inicialmente para orientar a equipe de arquitetos que em 1936 projetou o edifício da nova sede do Ministério da Educação no Rio de Janeiro (Palácio Gustavo Capanema) e em outras realizou conferências para difundir seus ideais, e reforçar a influência sobre os jovens arquitetos da época.

Mais de meio século depois, as obras do modernismo continuam sendo referências importantes e marcos da nossa arquitetura.


Artigos relacionados

Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro

A primeira obra de arte exposta pelo Museu de Arte Moderna do Rio contém todas as outras. Seu prédio é um ícone da arquitetura racionalista. Com localização privilegiada, no Parque do Aterro do Flamengo, o museu ganhou fama internacional e se

Superquadras

Inaugurada há cinquenta anos, Brasília marca, entre outras coisas, o desejo de propor uma nova sociabilidade urbana, que tem na escada residencial o seu desenvolvimento mais radical, as superquadras como unidade básica de um bairro.

Rosa Artigas: Entre a preservação do patrimônio urbano e o IPTU da cidade de São Paulo

Artigo da historiadora Rosa Artigas sobre a difícil situação de preservar as obras do pai e pagar altos impostos à Prefeitura.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta