Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP

Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP

O prédio da FAU-USP é um exemplar único da materialização de um conceito de escola como um lugar onde todos se reúnem para aprender, ensinar e aprender a ensinar. Isso é ressaltado pelo fato da escola não ter portas, sob uma cobertura única, indicando que o aprendizado é um processo aberto e criativo, e que, dentro do universo coberto da escola, todo momento é um momento do aprender.

O que mais chama a atenção no projeto do prédio da FAU é a cobertura única e translúcida em grelha estrutural envolta pela empena cega de concreto, que transforma o edifício numa metáfora de praça coberta, ágora, a espaço urbano e político, assim como as oposições entre aberto e fechado, leve e pesado.

Nessa nova maneira de pensar o prédio da escola, o processo de aprendizado, de produção de conhecimento, não se dá exclusivamente na sala de aula. Nas conversas com os colegas e os mestres, os espaços da escola são quase como os espaços da cidade, suas ruas, calçadas, praças.

Outros edifícios da Cidade Universitária empregam o princípio da iluminação zenital, mas de maneira secundária, em que não vão além de aberturas na laje, para permitir uma iluminação concentrada. Já a cobertura em grelha, empregada por Vilanova  Artigas e Carlos Cascaldi é mais ousada.

No artigo Notas sobre a gênese de um ícone: a construção da FAUUSP na Cidade Universitária, Felipe de Araujo Contier ressalta que nos estúdios de projeto, o coração de uma escola de arquitetura, a relação dos estudantes com o exterior se faz “pela iluminação solar e pela chuva e não pela paisagem e pela visão. Essas grandes empenas cegas são muito paradoxais do ponto de vista das diretrizes modernas, pois misturam funções de vedo e estrutura. A estrutura não é independente. O mesmo se pode dizer das divisórias dos estúdios em concreto armado, no único pavimento em que a planta livre é negada”.


Artigos relacionados

Arquitetura para Colorir

Arquitetura embarca na onda das publicações de colorir para adultos

Hobin Hood Gardens começa a ser demolido

O projeto habitacional Robin Hood Gardens, localizado no leste de Londres, começou a ser demolido no final do mês de agosto. A obra, dos arquitetos Alison e Peter Smithson, concluída em 1972, era um marco da arquitetura brutalista do Reino

Vivendo sobre palafitas

São sistemas construtivos de estacas de madeira utilizados em edificações em áreas alagadiças cuja função é evitar que as casas sejam arrastadas pela correnteza dos rios. Encontradas em áreas tropicais e equatoriais de alto índice pluviométrico, como na Amazônia e

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta