Burle Marx

Burle Marx

Roberto Burle Marx, renomado paisagista brasileiro, nasceu em São Paulo, em 1909 e se formou em Artes Plásticas na Escola de Belas Artes do Rio de Janeiro. Foi na universidade que entrou em contato com vários representantes da escola modernista de arquitetura, como Lúcio Costa e Oscar Niemeyer.


Pode-se dizer que o talento de Burle Marx para a arquitetura e desenvolveu dentro de suas múltiplas atividades como artista, pintor e desinger de jóias. Lúcio Costa, amigo e vizinho, pediu alguns projetos de jardins e terraços após conhecer suas habilidades como botânico. A partir daí começa sua relação com os arquitetos modernistas em muitos projetos notáveis, como os projetos paisagísticos do Eixo Monumental de Brasília, da área verde do conjunto habitacional do Pedregulho, do Aterro do Flamengo e o terraço-jardim do edifício Gustavo Capanema, conhecido como Ministério da Educação e Cultura.

Ele introduz o uso de plantas nativas para composição dos jardins pois queria quebrar a hegemonia dos jardins de caráter europeu e realizar um paisagismo mais voltado à rica biodiversidade do Brasil, utilizando plantas da caatinga e das florestas tropicais. Para ele o jardim não devia se assemelhar à natureza, pois era algo estritamente humano, e por isso invariavelmente manifestava uma intenção, uma interpretação.

Burle Marx morreu em 1994 após projetar mais de dois mil jardins.


Artigos relacionados

CASACOR São Paulo 2018

Em sua 32ª edição, a CASACOR São Paulo tem como tema “A Casa Viva”. São mais de 80 ambientes decorados (entre casas, lofts, lounges, salas, banheiros, apartamentos e estúdios) distribuídos pelo Jockey Club. Durante os dias 22 de maio e

Obras de Oscar Niemeyer são tombadas como Patrimônio Cultural

No dia 7 de junho, o Ministério da Cultura decretou o tombamento de 27 obras projetadas pelo arquiteto. Entre elas está o Palácio da Alvorada, o Palácio do Planalto, o Congresso Nacional, o Museu da Arte Contemporânea em Niterói e

Praça da Estação

De ambiente degradado a uma uma grande esplanada. De porto seco a espaço cultural.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta